Menu
header photo

Academia de Flauta de Verão

A Simbiose entre a flauta e a voz: proposta interpretativa de obras adaptadas da ópera e do Lied - Francisca Tadeu

(tese apresentada no dia 24 de Julho de 2018 às 14h na Canto Firme, Tomar)

 

Resumo

O tema da relação entre a flauta e a voz tem sido amplamente estudado nos últimos anos. Contudo, a aplicação a repertório específico era algo que ainda não tinha sido explorado como tema principal de investigação. Esta monografia é o resultado desta aplicação às obras Fantasie Brillante sur Carmen de François Borne e Introdução e Variações sobre tema de “Trockne Blumen” de Franz Schubert. Ao longo deste trabalho são abordados temas como a homogeneidade do som, a projeção sonora, a respiração, o vibrato e o legato da técnica flautística em comparação com o canto. O texto das obras originais é também estudado com o objetivo de tornar a performance mais informada e concordante com a obra original.

Objetivo

O objetivo principal deste trabalho é a interpretação informada do repertório proposto, assim como a procura de um novo modelo interpretativo que permita olhar para o repertório a partir de uma “lente” diferente - uma nova perspetiva que se foque primeiramente na voz, o nosso primeiro instrumento, permitindo retirar conclusões que possam ser aplicadas na performance das obras propostas na flauta.

A contribuição para a consciencialização da relação entre o trato vocal e a performance da flauta é também um dos meus objetivos, abordando conceitos criados recentemente por flautistas que já estudaram esta simbiose e sugerindo exercícios que recorram à voz, desta vez, aplicados a repertório específico.

Estado da Arte

Este não é o primeiro trabalho a estudar a relação entre a flauta e a voz. Pelo contrário, o tema “Flauta e Voz” tem sido amplamente discutido nos últimos anos. Em vários métodos de flauta, é possível encontrar exercícios que espelham esta relação.

No livro La technique d’embochure de Philippe Bernold podem encontrar-se 25 vocalizos. Já no método Check Up de Peter-Lukas Graf, o autor propõe-nos um exercício (exercício número 6) que consiste em utilizar a técnica de cantar e tocar simultaneamente, associado ao trabalho de embocadura. O mesmo autor lança um novo trabalho em 2003 com o título The Singing Flute. Nesta obra, Graf acaba por reforçar a ideia de uma relação Flauta-Voz logo com a escolha do título da obra. Já no capítulo da introdução, afirma “Desde que há memória, instrumentistas de corda e de sopro desejam alcançar a expressividade da voz humana nos seus instrumentos”. O autor acaba por assumir algumas semelhanças entre o seu trabalho e o método Tone Development Through Interpretation, do seu antigo professor Marcel Moyse, homenageando-o na introdução da obra. É de ressaltar, ainda, algumas das instruções que o flautista suíço vai dando ao longo dos exercícios que propõe. No primeiro exercício do livro, dedicado à melodia da ópera Oberon, de Weber, retirada da ária “O wie wiegt es sich schön”, por exemplo, Graf escreve “Na ópera, a melodia aparece sob a forma de uma melodia coral charmosa sobre o balançar das ondas. Na flauta, devemos procurar igualar o original com um belo timbre piano, um legato sem acentos e uma cor (timbre) regular”.

Também na área da investigação, cada vez mais flautistas se apercebem da correlação entre estas duas áreas e optam por pesquisar e obter mais informações sobre o assunto. São exemplos Cristina Ioan (autora da tese Desenvolvendo a produção de som na flauta através do canto) e Fabiana Coelho (autora da tese A influência da configuração do trato vocal na sonoridade da flauta). Ambas decidiram estudar esta correlação, defendendo as suas teses em 2007 e 2006 respetivamente.

 

Metodologia

A metodologia usada relacionou-se com cada uma das obras estudadas. Assim sendo…

  • Recolheu-se dados importantes sobre a obra original através de uma revisão bibliográfica

  • Traduziu-se o texto aplicado aos diferentes temas que vão sendo explorados ao longo das obras abordadas.

  • Fez-se um estudo comparativo entre performances de flautistas, tendo em conta interpretações das obras originais e acentuações realizadas naturalmente pela voz e pelos cantores que se possam dever ao texto (prosódia) e às diferentes acentuações (sílabas tónicas).

  • Realizou-se uma análise às respirações de modo a descobrir se eram executadas pelos flautistas nos mesmos momentos que os cantores, que naturalmente têm um texto para respeitar. Este passo foi apenas realizado na obra de François Borne, dado considerar que não faz muito sentido comparar as respirações na obra Introdução e Variações sobre tema de “Trockne Blumen” de Franz Schubert, uma vez que, nas variações o tema é bastante modificado, sendo que só seria pertinente proceder a esta análise no tema original.